ali abdel-aziz

O gerente de Nurmagomedov Ali Abdel-Aziz – sobre Khabib, St. Pierre, Kamar Usman e Conor McGregor.

{ – Será que Conor lhe perguntou muito sobre a Rússia?
– Sim, claro, isso aconteceu, e muito frequentemente. Não só com Conor, mas com toda a equipa. Especialmente quando há um acampamento, reunimo-nos à noite, conversamos. Alguém nos conta histórias ou anedotas. Por vezes, estamos a falar a sério. Tudo é o mesmo, como em nós. Pessoas – são pessoas em todo o lado.
– As mentalidades russas e europeias são diferentes. Gostamos de nos sentar na cozinha e conversar sobre a vida. Os estranhos viajam num compartimento, mas após 5 minutos, começam a falar de tudo. Você e McGregor acabaram de falar sobre a vida?
– Para ser honesto, não sou um fã ávido. Eu sei que John Cavanagh apoia Liverpool, toda a sua família apoia Liverpool. E o seu pai, e a sua futura esposa também. Em geral, há muitos adeptos de Liverpool na Irlanda porque há muita gente irlandesa em Liverpool. É a primeira cidade que se atravessa da Irlanda para Inglaterra. Mas não existe tal coisa como um adepto de futebol.
– Quem é o fã mais ávido da sua equipa?
– A sério? (Rindo.) Nizhny Novgorod e Zavolzhye são as áreas de crime, precisamos da polícia de choque grave, por isso compreendo-o.
– “Omonovsk-city”. Porque havia ali a polícia de choque mais dura.
– Não, não sei. Como?
– Havia muita coisa a acontecer ali. Sabe o que os fãs de futebol chamavam a Nizhny Novgorod nos anos 90?
– Infelizmente, sim. Havia o Lokomotiv Nizhny Novgorod, jogado no campeonato mais alto. Até me lembro de ir a um jogo. Vencemos o Dynamo por 2-0 na altura (no campeonato da liga russa de 1996 – comentário do SE). Isso foi há muito tempo atrás, eu ainda vivia na Rússia. E isso foi então um grande evento, porque o Dínamo é um clube sério. Depois todos se regozijaram. Agora, tanto quanto sei, a equipa mudou o seu nome, já não é Lokomotiv.
– E em Nizhny Novgorod os clubes estão constantemente a desmoronar-se.
– Mas, para ser honesto, estou mais interessado nos jogadores. Se eu gosto de um jogador como pessoa, enquanto ele joga, eu observo-o. Por exemplo, gosto muito de Ronaldo, ele agora toca na Juventus, eu pareço, gosto de como ele toca lá. Antes disso, observei-o no Real, no Manchester United. Por vezes nem sequer compreendo um pouco como as pessoas apoiam a equipa. Bem, eu compreendo quando a equipa é da vossa cidade. Mas quando as pessoas torcem pela equipa a partir de qualquer lugar… O treinador mudou durante a época, os jogadores mudaram. Quem apoia? As suas cores, camisolas, fardas? Por vezes não o compreendo. Por isso, sigo mais os jogadores – gosto de Messi, gosto de Ronaldo, eles são jogadores espectaculares. Gosto de os observar.
– E quanto ao futebol de clubes?
– Quando os países jogam, Campeonato do Mundo ou Campeonato Europeu, eu torço pela Rússia e Irlanda.
– Por quem se enraíza no futebol?
– Não, na verdade. É que a concorrência no MMA está a crescer. Todos estão muito próximos uns dos outros, qualquer um pode derrotar qualquer um. E de qualquer modo, estragam tudo com o tema do boxe, com o bater de recordes. Fazem parecer que um homem nunca deve perder. Na verdade, quando se luta com adversários decentes, há sempre perdas. O melhor exemplo disto é o futebol. As melhores equipas do mundo estão na AFL. Quando o melhor joga contra os melhores, até o campeão tem perdas no final da época. E a maioria tem um enorme número de perdas. Essa é a realidade, é o que acontece quando se joga com os melhores, quando se luta com os melhores.
– Não faz sentido que Conor tenha estagnado no seu desenvolvimento?
– Concordo. Em geral, geralmente após o combate voltamos sempre uns aos outros, fazemos uma pequena análise da luta – o que deveríamos ter feito, o que foi bem feito e o que não foi tão bem feito. Também temos palavras de apoio – tudo está bem, tudo vai ficar bem, estamos todos aqui.
– O que lhe escreveu após a derrota de Porier? É sempre um pouco difícil escrever algo apropriado após uma derrota.
– Com esta coroa e com o facto de ter começado a lutar descalço, tenho de treinar mais com pugilistas do que com lutadores de MMA… Definitivamente, não se poupa há um ano.
– Há quanto tempo é que não se poupa com Conor?
– Bem, Conor ainda tem a mesma equipa que ele tinha. Estamos sempre com a mesma equipa, não mudámos ninguém. John Cavanagh é o nosso treinador, foi, é e será. A única coisa é que não poupei com Conor desta vez no acampamento, porque tive uma lesão no joelho, tive uma cirurgia. Desta vez não o pude ajudar. Caso contrário, o alinhamento é o mesmo.
– Khabib escreveu nos seus meios de comunicação social após a luta de McGregor e Porrier: “Isto é o que acontece quando deixas a equipa, deixas os parceiros de luta que te fizeram campeão e treinas com crianças. Está tudo muito longe da realidade”. Há alguma verdade nas palavras de Khabib?
– Sim, sentimos imediatamente que o tipo não é simples, ele tem um talento que mais ninguém tem.

Claro. Especialmente desde que Conor transferiu esse meio milhão, apenas não para o fundo de Dustin, mas para outro fundo na mesma área. Ele estava a explicar: “Uma vez que não me podes mostrar para onde e para que vai esse dinheiro, então, grosso modo, vai-te foder”. Vou dar o dinheiro às crianças onde sei em que é que vai ser gasto”. Ele deu o dinheiro. Aqui [na Irlanda] Conor também ajuda o hospital infantil onde Dee costumava trabalhar com dinheiro. Bem, e ele está a ajudar com o ginásio, outra pessoa. Agora é um momento difícil, tem sido quase um encerramento completo durante um ano. Tudo está fechado, ninguém pode ganhar dinheiro. Muitos clubes fechariam, mas Conor estava a ajudá-los, pagando o aluguer das instalações.
– Agora havia uma história com a caridade de Porrier, Conor não transferiu o dinheiro, depois houve um conflito no Twitter. Compreendo que seja seu amigo, mas por vezes podemos ser amigos de pessoas que não são muito boas. É seguro dizer que Conor é uma boa pessoa?
– Geralmente, somos todos amigos íntimos de Conor, mas Derek é o mais próximo. Mas em geral, não existem “melhores amigos”, amigos de todos, todos são bons amigos.
– Sim, sim, sim.
– Kean Coley?
– Há outro tipo a cavalgar com Conor que luta.
– O seu nome é Derrick. Andaram juntos no liceu, têm sido amigos desde o liceu. Somos todos amigos, mas ele é o melhor amigo.
– Quem é o melhor amigo de Conor?
– Não, apenas uma esposa realmente fantástica. O tipo é incrivelmente sortudo por tê-la.
– De qualquer forma, ela não é uma daquelas mulheres que é uma mariquinhas, pois não?
– Ela faz tudo bem. Ela é boa em muitas coisas. Até Conor contrata um nutricionista para cozinhar tudo para ele. O nutricionista costumava cozinhar para ele, e Conor não gostava porque Dee cozinhava muito melhor. E a nutricionista dizia-lhe então que porções e como cozinhar, e a Dee cozinhava-a ela própria. E para mim o principal, como verifico se uma pessoa cozinha bem ou não, é se uma pessoa pode cozinhar peito de frango para que se torne tão tenro e suculento. Como o peito de frango fica sempre seco, é muito difícil torná-lo suculento e carnoso. E a cozedura do peito pela Dee é espantosa. E para mim, isso é uma medida dos seus dotes culinários. Ela cozinha-o de uma forma que o faz derreter na sua boca. Eu costumava viver com Conor em sua casa quando cozinhávamos. Eu não tinha um filho na altura, não tinha uma namorada, era mais fácil viver com eles. Eu, Conor, Dee e o cão Hugo. Dee alimentou-nos a toda a hora, ela é uma cozinheira espantosa, poderia facilmente trabalhar como cozinheira num restaurante Michelin.
– O que é um bom cozinheiro?
– Conor, é claro. Mas Dee é uma rapariga muito positiva, está sempre a ajudá-lo, é uma cozinheira fantástica, é uma óptima mãe para as crianças. Ele tem muita sorte com a Dee, ela é uma pessoa insubstituível na sua vida.
– Que tipo de pessoa é a noiva de McGregor, Dee Devlin? Quem é a pessoa principal da sua família – ela ou Conor?
No nosso treinador também temos uma enorme tatuagem nas costas, ele tem uma imagem do deus e do diabo, que joga xadrez. Não se consegue ver realmente, mas é uma enorme tatuagem, até ao fundo das suas costas. Vejo Conor há muito tempo, já o conheço há muito tempo.
– Conheço Conor há muito tempo, por isso não foi uma surpresa para mim. Se eu tivesse feito tal tatuagem, as pessoas teriam ficado surpreendidas, elas teriam perguntado. E quando Conor o fez, é uma coisa normal. Ele adora tatuagens. Uma das tatuagens, penso que foi um tigre no estômago, que Conor fez comigo em Los Angeles. Havia um estúdio de tatuagens algures na praia.
– Qual foi a reacção quando Conor tatuou um gorila no seu peito?
– Não há um único desenho que eu queira pôr no meu corpo para toda a vida. Hoje gosto, amanhã não gosto. Para a reduzir, ainda não reduz normalmente. É bonito em outras pessoas, por vezes, e em raparigas e rapazes é algo brutal, mas não quero ter nenhuma tatuagem em mim.
– Não tem tatuagens, ao contrário de muitos lutadores irlandeses. Porquê?
– Costumava ser. Trabalhei num hotel de cinco estrelas, o Radisson. Tínhamos uma regra – usar distintivos que dizia “Sim, eu posso”. Trata-se do facto de que o visitante não deve ser recusado, deve fazer todos os esforços para lhes dar um bom descanso. Por conseguinte, deve ser sempre educado, cortês, encontrar uma linguagem comum, evitar conflitos. Foi muito importante. Claro que, se houver álcool no bar e uma pessoa estiver um pouco bêbeda, podem acontecer coisas diferentes. Mas tínhamos lá segurança, por isso nada de demasiado terrível aconteceu.
– Uma vez mencionou que trabalhou como empregado de bar durante 21 horas sem pausa.
– Sim, faz muitas vezes. Falamos frequentemente da forma como as coisas funcionam aqui: a mentalidade, a arquitectura, a história do desenvolvimento. Contei-lhe sobre os anos noventa, sobre os progressos que vi em comparação com aqueles tempos. Deixei a Rússia em 2000, voltei após 16 anos pela primeira vez e fiquei chocado com o quanto tudo tinha mudado. Falou-se de como se faz a escolarização no nosso país. Na Irlanda, por exemplo, escolhe os seus temas, seis temas. Mas aqui tem de estudar tudo, não pode escolher. Quando comecei a estudar aqui, desisti da química, porque não estava interessado na química, desisti também da biologia. Expliquei-lhe que na Rússia não existe tal escolha, é preciso saber tudo. Além disso, falei-lhe do facto de que no sábado na escola

{Tyson: Eu compreendo.
Renzo não precisava de um gerente como eu. Ele só queria ajudar-me. Ele já tinha o seu próprio gerente, mas abriu-me as portas no UFC. E estar-lhe-ei sempre grato por essa oportunidade. Ser-lhe-ei leal. Eu não estaria aqui sem ele.
Naquela reunião, disse eu: “Renzo quer actuar e você não pode dizer-lhe não”. Renzo olhou para mim com surpresa. Havia rumores na altura de que Dana White era um traste, o pior dos piores. As pessoas advertiram que ele era um tipo muito mau. Mas na realidade ele revelou-se gentil, generoso, havia bebida e outras coisas – estávamos sentados no seu escritório na altura. Eu próprio não percebi como é que as palavras saíram da minha boca: “Sabes que mais? Não me interessa o que as pessoas dizem de si”. E ele perguntou-se: “O que dizem de mim”? Pensou em não o dizer, e depois Lorenzo disse: “Não, não, não. Queremos saber”. E eu digo: “As pessoas dizem que és um idiota”. Todos começaram a rir. A partir desse momento, tornámo-nos amigos. Renzo conseguiu a luta e eu comecei a trabalhar com Lorenzo e White. Foi aí que tudo começou.
Foi o meu primeiro encontro com a UFC. Normalmente conhece-se o casamenteiro, e depois de dois ou três campeões vai-se a Dana White, e depois Lorenzo Fertitta (um dos antigos donos do UFC. – Comentário: “SE”]. Fertitta tornou-se rapidamente meu amigo e mentor, assim como Dana.
Abdel-Aziz: Está bem. Sou um verdadeiro negro, um africano, e estou orgulhoso disso (sorrisos). Não é essa a questão. Lutei no Japão, perdido lá. Na altura não tinha dinheiro nem oportunidade, e Renzo Gracie… Eu ajudei-o no ginásio. Renzo Gracie é uma lenda. E eu estava a ajudar tipos no ginásio, encontrando-os a lutar em pequenas organizações – e a fazê-lo de graça. Um dia, disse Renzo: “Eu quero voltar e lutar na UFC”. Isso foi em 2009. disse eu: “OK”. Naqueles dias, o meu inglês era fraco, tinha um sotaque duro. Mas Renzo repetiu: “Não, não, não. Quero que vás lá fora e resolvas casos”. Eu nem sequer conhecia estes tipos [no UFC] na altura. Alguém me disse para falar com Joe Silva (ex-combatente do UFC – nota da SE). Falei com ele, mas ele disse que não era da sua competência e aconselhou-me a ir a Dana White. Eu não sabia realmente muito sobre ele. Por isso, contactei-o, encontrámo-nos com Renzo e fomos à casa de White em Las Vegas. Eu era o ala de Renzo. Mas, na realidade, decidiu tudo sozinho, porque era amigo de alguém que na altura era proprietário de 10% do UFC.
Tyson: Na realidade parece preto (sorridente).
Abdel-Aziz: Eu vivia no mesmo bairro onde Mike vivia (aparentemente referindo-se ao pobre bairro de Brownsville no Brooklyn – comentário da SE), e costumava ir a Manhattan para treinar com Renzo Gracie. Apanhei o metro. O Mike não mente, era um bairro duro, e eu parecia um pouco local, mas na realidade eu não parecia africano.
Sehudo: Fale-nos de como Renzo Gracie mudou fundamentalmente a sua vida.
Um novo episódio do podcast do Hotboxin’ de Mike Tyson saiu no outro dia com Abdel-Aziz. O gerente falou com a lenda do boxe e o seu co-apresentador, sob a forma do já mencionado antigo campeão do UFC Henry Sehudo, sobre como começou a sua viagem nas artes marciais mistas como agente.
Ele pode ser amado ou odiado pelas suas declarações de alto nível, mas Ali Abdel-Aziz é agora o gestor mais influente na indústria das artes marciais. Khabib Nurmagomedov, Henry Sehudo, Kamaru Usman, Justin Gatji, Beneil Dariush, Islam Makhachev, Marvin Vettori, Giga Chikadze são apenas uma pequena lista de combatentes UFC cujos interesses este egípcio nativo representa.

De certa forma, estávamos à espera de Georges. Eu gosto de Georges. Ele é meu amigo. Estamos há quatro ou cinco anos à espera de Georges. Um dia ele quer voltar, depois não volta. Agora diz: “Ei, Habib está reformado. Estou reformado. Que tal voltar e lutar contra Habib agora”?
Abdel-Aziz: Há duas semanas ou dez dias recebi uma chamada de Dana White. Disse ele: “Georges St. Pierre está pronto para lutar contra Khabib numa luta sem título a 165 libras (peso intermédio a 74,84 kg. – nota da SE).
Cejudo: O que faria Khabib voltar? Sabemos dos rumores em torno da luta contra São Pedro. Por causa dessa luta, será que ele voltaria?
Tyson: Khabib é um lutador raivoso.
Abdel-Aziz: Khabib teria ganho na primeira volta. Ele teria rasgado tudo. Khabib pressiona e faz com que os oponentes duvidem de si próprios.
Sehudo: A sua previsão para a luta de Khabib contra Oliveira? Como é que Khabib ganharia?
O combate Chandler vs. Oliveira é como um combate número sete vs. número cinco nas Olimpíadas. Bronze estava fora de questão. Dana White é um tipo tão inteligente. Actualmente, os melhores da divisão são Justin Gatje e Dustin Porier, mas ele pensou, Charles Oliveira nunca lutou contra Khabib, e Mike Chandler também nunca lutou. Se eu os juntar, o vencedor torna-se o campeão UFC que nunca perdeu para Khabib. Oliveira é de facto um bom lutador, mas existem níveis neste jogo. Lennox Lewis é um bom lutador, mas existe um lendário e maior pugilista na forma de Mike Tyson. Khabib é o maior no seu jogo.
Abdel-Aziz: Khabib é o maior lutador de todos os tempos, invicto. Ainda nem sequer perdeu uma rodada. Normalmente os lutadores após as lutas são feridos, com cortes e olhos negros, mas não se trata de Khabib – ele sempre saiu das lutas inteiro.
Sehudo: Vamos falar um pouco sobre Khabib. A luta de Chandler contra Oliveira teve lugar. Como é que um Khabib vs. Oliveira lutaria? Gostaria de ouvir a sua opinião antes de exprimir a minha.
Abdel-Aziz: Ouvimos frequentemente a palavra “lealdade” a sair da boca das pessoas, mas por vezes fico muito desapontado com essas pessoas depois. Falar é uma coisa, mas conformar-se é outra. É preciso fazer, não dizer.
{Tyson: Eu compreendo.
Renzo não precisava de um gerente como eu. Ele só queria ajudar-me. Ele já tinha o seu próprio gerente, mas abriu-me como portas no UFC. E estar-lhe-ei sempre grato por essa oportunidade. Ser-lhe-ei leal. Eu não estaria aqui sem ele.
Naquela reunião, disse eu: “Renzo quer actuar e você não pode dizer-lhe não”. Renzo olhou para mim com surpresa. Havia rumores na altura de que Dana White era um traste, o pior dos piores. As pessoas advertiram que ele era um tipo muito mau. Mas na realidade ele revelou-se gentil, generoso, havia bebida e outras coisas – estávamos sentados no seu escritório na altura. Eu próprio não percebi como é que as palavras saíram da minha boca: “Sabes que mais? Não me interessa o que as pessoas dizem de si”. E ele perguntou-se: “O que dizem de mim”? Pensou em não o dizer, e depois Lorenzo disse: “Não, não, não, não. Queremos saber”. E eu digo: “As pessoas dizem que és um idiota”. Todos começaram a rir. A partir desse momento, tornámo-nos amigos. Renzo conseguiu a luta e eu comecei a trabalhar com Lorenzo e White. Foi aí que tudo começou.
Foi o meu primeiro encontro com a UFC. Normalmente conhece-se o casamenteiro, e depois de dois ou três campeões vai-se a Dana White, e depois Lorenzo Fertitta (um dos antigos donos do UFC. – Comentário: “SE”]. Fertitta tornou-se rapidamente meu amigo e mentor, assim como Dana.
Abdel-Aziz: Está bem. Sou um verdadeiro negro, um africano, e estou orgulhoso disso (sorrisos). Não é essa a questão. Lutei no Japão, perdido lá. Na altura não tinha dinheiro nem oportunidade, e Renzo Gracie… Eu ajudei-o no ginásio. Renzo Gracie é uma lenda. Eu estava ajudar tipos no ginásio, encontrando-os a lutar em pequenas organizações – e a fazê-lo de graça. Um dia, disse Renzo: “Eu quero voltar e lutar na UFC”. Isso foi em 2009. disse eu: “OK. Naqueles dias, o meu inglês era fraco, tinha um sotaque duro. Mas Renzo repetiu: “Não, não, não, não. Quero que vás lá fora e resolvas casos”. Eu nem sequer conhecia estes tipos [no UFC] na altura. Alguém me disse para falar com Joe Silva (ex-combatente do UFC – nota da SE). Falei com ele, mas ele disse que não era da sua competência e aconselhou-me a ir a Dana White. Eu não sabia realmente muito sobre ele. Por isso, contactei-o, encontrámo-nos com Renzo e fomos à casa de White em Las Vegas. Eu era o ala de Renzo. Mas, na realidade, decidiu tudo sozinho, porque era amigo de alguém que na altura era proprietário de 10% do UFC.
Tyson: Na realidade parece preto (sorridente).
Abdel-Aziz: Eu vivia no mesmo bairro onde Mike vivia (aparentemente referindo-se ao pobre bairro de Brownsville no Brooklyn – comentário da SE), e costumava ir a Manhattan para treinar com Renzo Gracie. Apanhei ou metro. O Mike não mente, era um bairro duro, eu parecia um pouco local, mas na realidade eu não parecia africano.
Sehudo: Fale-nos de como Renzo Gracie mudou fundamentalmente a sua vida.
Um novo episódio do podcast do Hotboxin’ de Mike Tyson saiu no outro dia com Ab

Tyson: Eu compreendo.
Renzo não precisava de um gerente como eu. Ele só queria ajudar-me. Ele já tinha o seu próprio gerente, mas abriu-me as portas no UFC. E estar-lhe-ei sempre grato por essa oportunidade. Ser-lhe-ei leal. Eu não estaria aqui sem ele.
Naquela reunião, disse eu: “Renzo quer actuar e você não pode dizer-lhe não”. Renzo olhou para mim com surpresa. Havia rumores na altura de que Dana White era um traste, o pior dos piores. As pessoas advertiram que ele era um tipo muito mau. Mas na realidade ele revelou-se gentil, generoso, havia bebida e outras coisas – estávamos sentados no seu escritório na altura. Eu próprio não percebi como é que as palavras saíram da minha boca: “Sabes que mais? Não me interessa o que as pessoas dizem de si”. E ele perguntou-se: “O que dizem de mim”? Pensei em não dizer, e depois Lorenzo diz: “Não, não, não. Queremos saber”. E eu digo: “As pessoas dizem que és um idiota”. Todos começaram a rir. A partir desse momento, tornámo-nos amigos. Renzo conseguiu a luta e eu comecei a trabalhar com Lorenzo e White. Foi aí que tudo começou.
Foi o meu primeiro encontro com a UFC. Normalmente conhece-se o casamenteiro, e depois de dois ou três campeões vai-se a Dana White, e depois Lorenzo Fertitta (um dos antigos donos do UFC. – Comentário: “SE”]. Fertitta tornou-se rapidamente meu amigo e mentor, bem como Dana.
Abdel-Aziz: Está bem. Sou um verdadeiro negro, um africano, e estou orgulhoso disso (sorrisos). Não é essa a questão. Lutei no Japão, perdido lá. Na altura não tinha dinheiro nem oportunidade, e Renzo Gracie… Eu ajudei-o no ginásio. Renzo Gracie é uma lenda. E eu estava a ajudar tipos no ginásio, encontrando-os a lutar em pequenas organizações – e a fazê-lo de graça. Um dia, disse Renzo: “Eu quero voltar e lutar na UFC”. Isso foi em 2009. disse eu: “OK”. Naqueles dias, o meu inglês era fraco, tinha um sotaque duro. Mas Renzo repetiu: “Não, não, não. Quero que vás lá fora e resolvas casos”. Eu nem sequer conhecia estes tipos [no UFC] na altura. Alguém me disse para falar com Joe Silva (ex-combatente do UFC – nota da SE). Falei com ele, mas ele disse que não era da sua competência e aconselhou-me a ir a Dana White. Eu não sabia realmente muito sobre ele. Por isso, contactei-o, encontrámo-nos com Renzo e fomos à casa de White em Las Vegas. Eu era o ala de Renzo. Mas, na realidade, decidiu tudo sozinho, porque era amigo de alguém que na altura era proprietário de 10% do UFC.
Tyson: Na realidade parece preto (sorridente).
Abdel-Aziz: Eu vivia no mesmo bairro onde Mike vivia (aparentemente referindo-se ao pobre bairro de Brownsville no Brooklyn – comentário da SE), e costumava ir a Manhattan para treinar com Renzo Gracie. Apanhei o metro. O Mike não mente, era um bairro duro, e eu parecia um pouco local, mas na realidade eu não parecia africano.
Sehudo: Fale-nos de como Renzo Gracie mudou fundamentalmente a sua vida.
Um novo episódio do podcast do Hotboxin’ de Mike Tyson saiu no outro dia com Abdel-Aziz. O gerente falou com a lenda do boxe e o seu co-apresentador, sob a forma do já mencionado antigo campeão do UFC Henry Sehudo, sobre como começou a sua viagem nas artes marciais mistas como agente.
Ele pode ser amado ou odiado pelas suas declarações de alto nível, mas Ali Abdel-Aziz é agora o gestor mais influente na indústria das artes marciais. Khabib Nurmagomedov, Henry Sehudo, Kamaru Usman, Justin Gatji, Beneil Dariush, Islam Makhachev, Marvin Vettori, Giga Chikadze são apenas uma pequena lista de combatentes UFC cujos interesses este egípcio nativo representa.

De certa forma, estávamos à espera de Georges. Eu gosto de Georges. Ele é meu amigo. Estamos há quatro ou cinco anos à espera de Georges. Um dia ele quer voltar, depois não volta. Agora diz: “Ei, Habib está reformado. Estou reformado. Que tal voltar e lutar contra Habib agora”?
Abdel-Aziz: Há duas semanas ou dez dias recebi uma chamada de Dana White. Disse ele: “Georges St. Pierre está pronto para lutar contra Khabib numa luta sem título a 165 libras (peso intermédio a 74,84 kg. – nota da SE).
Cejudo: O que faria Khabib voltar? Sabemos dos rumores em torno da luta contra São Pedro. Por causa dessa luta, será que ele voltaria?
Tyson: Khabib é um lutador raivoso.
Abdel-Aziz: Khabib teria ganho na primeira volta. Ele teria rasgado tudo. Khabib pressiona e faz com que os oponentes duvidem de si próprios.
Sehudo: A sua previsão para a luta de Khabib contra Oliveira? Como é que Khabib ganharia?
O combate Chandler vs. Oliveira é como um combate número sete vs. número cinco nas Olimpíadas. Bronze estava fora de questão. Dana White é um tipo tão inteligente. Actualmente, os melhores da divisão são Justin Gatje e Dustin Porier, mas ele pensou, Charles Oliveira nunca lutou contra Khabib, e Mike Chandler também nunca lutou. Se eu os juntar, o vencedor torna-se o campeão UFC que nunca perdeu para Khabib. Oliveira é de facto um bom lutador, mas existem níveis neste jogo. Lennox Lewis é um bom lutador, mas existe um lendário e maior pugilista na forma de Mike Tyson. Khabib é o maior no seu jogo.
Abdel-Aziz: Khabib é o maior lutador de todos os tempos, invicto. Ainda nem sequer perdeu uma rodada. Normalmente os lutadores após as lutas são feridos, com cortes e olhos negros, mas não se trata de Khabib – ele sempre saiu das lutas inteiro.
Sehudo: Vamos falar um pouco sobre Khabib. A luta de Chandler contra Oliveira teve lugar. Como é que um Khabib vs. Oliveira lutaria? Gostaria de ouvir a sua opinião antes de exprimir a minha.
Abdel-Aziz: Ouvimos frequentemente a palavra “lealdade” a sair da boca das pessoas, mas por vezes fico muito desapontado com essas pessoas depois. Falar é uma coisa, mas conformar-se é outra. É preciso fazer, não falar.

Tyson: Então não sei…
Abdel-Aziz: Há quatro anos atrás.
Tyson: Quando foi a última vez que St. Pierre sequer lutou?
Sehudo: Mike, gostaria de ver um confronto Khabib-Saint-Pierre? Quais são os seus pensamentos sobre isso?
Tyson: Temos de lhes dar o que eles querem.
Abdel Aziz: Os fãs querem…
Tyson: Os fãs querem ver esta luta, mano.
Sinceramente, eu não quero que esta luta aconteça. São Pedro está na casa dos 40, Khabib está na casa dos 30, e este homem luta com ursos, jacarés, leões… Porquê? Sim, ambos estão no mesmo jogo, mas Khabib é muito mais jovem, tem mais raiva nele. Não seria justo reuni-los numa gaiola.
Abdel-Aziz: Khabib recebeu 100 milhões de dólares depois de se ter reformado para lutar contra Floyd Mayweather. Pode perguntar ao Floyd, pode perguntar a toda a gente. Disse então Khabib: “Não. Reformei a minha carreira. Disse à minha mãe que tinha acabado completamente com a luta. Vou cumprir a minha palavra à minha mãe. Se a minha mãe me deixar lutar novamente, talvez eu o faça. Mas neste momento ela disse-me para não lutar. Temos uma cultura muçulmana, respeitamos as nossas mães.
Tyson: Eu também gosto de Georges St-Pierre.

Abdel-Aziz: Sim, ele é.
Tyson: St. Pierre é um peso de solda natural, certo?
Abdel-Aziz: Sim. Mas ao mesmo tempo, St. Pierre é muito inteligente. Ele viu Usman desmontar Masvidal peça por peça. Será que Georges quereria estar nessa posição, para cair de bruços na cara num nocaute? Provavelmente não.
Tyson: Acha que esta é uma luta que vale a pena montar?
Usman já está a bater recordes. Ele superou St. Pierre em vitórias consecutivas. Usman adoraria combatê-lo. Não há problema.
Abdel-Aziz: Sim. Se quiser voltar e ter uma luta de alto nível (falando de St-Pierre – comentário da SE), Kamaru Usman está à sua disposição. Eu ficarei feliz, a direcção da UFC ficará feliz, e a luta será muito barulhenta.
Tyson: E ainda mais, estão na mesma classe de peso, certo?
Abdel-Aziz: Mas eu tenho uma ideia. Penso que é um grande promotor e que tem um cérebro quando se trata de artes marciais. St. Pierre quer voltar com uma luta contra um lutador intocável. Será isso correcto? Sim, é verdade. O líder libra por libra é o pesadelo nigeriano Kamaru Usman. Este lutador nunca perdeu no UFC, nunca foi sequer tocado em lutas, e rasgou todos no seu caminho. Certo? Se quer lutar sem derrotas, então lute contra ele.
Tyson: Penso que não se trata da idade.
Abdel-Aziz: Saint-Pierre tem 40 anos de idade, Khabib tem 32 anos de idade.

Sehudo: St-Pierre foi derrubado e perdido por uma dolorosa paragem…
Abdel Aziz: Não podia estar mais de acordo. É por isso que é interessante observar o seu confronto. É uma luta interessante. Não creio que Georges vá morrer nesta luta. Ele é muito esperto. Mas se levantarmos a questão de quem é o melhor peso de welterweight da história neste momento, seria injusto dizer que é São Pedro. Tem tido lutas renhidas, ganha por decisões divididas. Usman, por outro lado, está a fazer com que toda a gente saia do caminho.
Tyson: Além disso, Georges tem um bom jogo de terreno.
Abdel Aziz: É isso mesmo. É por isso que existe uma certa intriga nesta luta.
Tyson: Mas Georges não é tão fácil de apanhar.
Abdel-Aziz: Gosto de Georges, mas penso que a versão actual de Kamaru irá nocautear qualquer um.
Sehudo: Veja, até o Mike quer que eles lutem.
Tyson: Devemos fazê-los lutar…
Abdel-Aziz: É uma boa luta. Penso que St. Pierre está em boa forma, ele treina a toda a hora, mas tenho a certeza que Usman o vai pôr inconsciente. Por essa razão, Georges não aceitará esta luta.
Sehudo: Ali, a sua previsão para a luta Usman-Saint-Pierre?

Abdel-Aziz: Penso… Ouçam. Há Conor McGregor, que vai lutar contra Dustin Porter. McGregor irá provavelmente desistir de novo porque está habituado a desistir. Ele parece uma prostituta de elite. Agora as pessoas querem sair com ele para se gabarem: “Ei, tenho uma menina bonita comigo”. É uma menina bonita, e depois de andar com ela, pode dizer a outras meninas: “Ei, eu tenho esta menina bonita. Gostaria de sair comigo?” Os lutadores que lutam com ele obtêm essa influência, e também recebem o estigma de que lutaram contra Conor McGregor. Mas o que eles não percebem é que Conor McGregor não ganha há três anos. Ele é realmente como uma cabra de elite. Agora ele tornou-se um trampolim para todos os combatentes. Sim, toda a gente vai ganhar dinheiro, mas quanto tempo vai durar?
Todos parecem ter-se esquecido de Justin Gaggi. O único que realmente o venceu foi Khabib. O que pensa de Gaggi?
Sehudo: O que diria sobre a situação na divisão de pesos leves?
Marvin Vettori of Kings MMA Hall of Famer irá combater Israel Adesanya em breve. Se de repente bater Adesanya, então Usman vai aumentar de peso e lutar contra ele. Mas desejamos Adesanya a melhor das sortes. Ele e Usman são bons amigos.
Todos dizem que Colby é o próximo na fila. Mas este lutador não tem mostrado actividade. Ele venceu Tyrone e está à espera do seu tempo, enquanto Usman já teve três lutas nesse tempo (na verdade duas – nota do SE). Mostre actividade, mostre que quer e está pronto para lutar.
Abdel-Aziz: A ESPN pensa que Usman é o líder da libra por libra. Jones não concorda com isso. Eu, por minha vez, discordo de Jones. Vejam as suas últimas três lutas, ele mal as ganhou. Além disso, há muito tempo que não lutava. Lembre-se das últimas três lutas de Usman. Derrotou-os a todos, derrubou-os a todos. E isso é daqui a dez meses.
Tyson: É isso mesmo. E têm a mesma classe de peso.
Abdel-Aziz: O meu respeito por Saint-Pierre, mas se está pronto para voltar com uma luta contra Khabib, então lute contra Usman.
Tyson: É o que é. Caiu a um nocaute, mas a experiência.
Abdel Aziz: Sim. E Usman nem sequer foi tocado correctamente.

Abdel-Aziz: Penso… Ouçam. Há Conor McGregor, que vai lutar contra Dustin Porter. McGregor irá provavelmente desistir de novo porque está habituado a desistir. Ele parece uma prostituta de elite. Agora as pessoas querem sair com ele para se gabarem: “Ei, tenho uma menina bonita comigo”. É uma menina bonita, e depois de andar com ela, pode dizer a outras meninas: “Ei, eu tenho esta menina bonita. Gostaria de sair comigo?” Os lutadores que lutam com ele obtêm essa influência, e também recebem o estigma de que lutaram contra Conor McGregor. Mas o que eles não percebem é que Conor McGregor não ganha há três anos. Ele é realmente como uma cabra de elite. Agora ele tornou-se um trampolim para todos os combatentes. Sim, toda a gente vai ganhar dinheiro, mas quanto tempo vai durar?
Todos parecem ter-se esquecido de Justin Gaggi. O único que realmente o venceu foi Khabib. O que pensa de Gaggi?
Sehudo: O que diria sobre a situação na divisão de pesos leves?
Marvin Vettori of Kings MMA Hall of Famer irá combater Israel Adesanya em breve. Se de repente bater Adesanya, então Usman vai aumentar de peso e lutar contra ele. Mas desejamos Adesanya a melhor das sortes. Ele e Usman são bons amigos.
Todos dizem que Colby é o próximo na fila. Mas este lutador não tem mostrado actividade. Ele venceu Tyrone e está à espera do seu tempo, enquanto Usman já teve três lutas nesse tempo (na verdade duas – nota do SE). Mostre actividade, mostre que quer e está pronto para lutar.
Abdel-Aziz: A ESPN pensa que Usman é o líder da libra por libra. Jones não concorda com isso. Eu, por minha vez, discordo de Jones. Vejam as suas últimas três lutas, ele mal as ganhou. Além disso, há muito tempo que não lutava. Lembre-se das últimas três lutas de Usman. Derrotou-os a todos, derrubou-os a todos. E isso é daqui a dez meses.
Tyson: É isso mesmo. E têm a mesma classe de peso.
Abdel-Aziz: O meu respeito por Saint-Pierre, mas se está pronto para voltar com uma luta contra Khabib, então lute contra Usman.
Tyson: É o que é. Caiu a um nocaute, mas a experiência.
Abdel Aziz: Sim. E Usman nem sequer foi tocado correctamente.

– Sim. Há um hotel chamado Red Rock. Os irmãos Fertitta, que eram donos do UFC, possuem hotéis em Las Vegas. O Red Rock é o seu hotel mais fixe e mais chique. Mayweather costumava ter lá as suas festas, também outras estrelas de todo o mundo vêm a Vegas. Dessa vez, John e eu fomos os primeiros a ir a Vegas, e Conor adoeceu e juntou-se a nós em três ou quatro dias mais tarde. Fomos para a sala e foi a coisa mais bela que alguma vez tínhamos visto! John e eu… Bem, eu não bebi, claro, e John decidiu tirar uma garrafa de cerveja do frigorífico. Olhámos para o preço, agarrámos as nossas cabeças, fomos à loja para o comprar. E depois foi-nos dado um mordomo – alguém para telefonar a qualquer hora do dia ou da noite sobre qualquer assunto. O que quer que quiséssemos, mesmo que precisássemos apenas de um carregador de telemóvel, ele encontrava-o ou comprava-o. Começámos a perguntar-lhe: “Queríamos apanhar um táxi”, e ele diz: “O quê? Que táxi, rapazes? Tem o seu próprio motorista, que o vai buscar, leva-o para onde precisa de ir, e espera por si onde quiser. É tudo pago – coma o que quiser em qualquer restaurante. Qualquer bar, casino – o que quiser, pode fazer tudo de graça.

– Será esta a história quando o puseram na penthouse e disseram: “Vale tudo”? Cavanaugh disse algo do género.

– Era uma foto de Las Vegas – o primeiro combate com Porier (2014 – Nota: SE), Conor ainda não era uma grande estrela. Nessa altura, só podia trazer duas pessoas com ele para Las Vegas – durante quatro semanas de preparação. Assim, apenas o treinador principal John Cavanagh e eu próprio viemos, como parceiro de treino. Nós os três preparámo-nos e, como a luta mostrou, saímo-nos muito bem (McGregor ganhou por nocaute no primeiro round – Nota do editor).

– Colocou uma foto antiga mesmo antes da luta com Porier. Da Islândia ou algo assim…

– Bem, atiramos coisas diferentes uns aos outros. Vemos algo engraçado ou tivemos uma situação parecida com uma memória na nossa vida – lembramo-nos dela, podemos rir. Ou somos frequentemente marcados, surgem vídeos do passado, e lembramo-nos: “Foi divertido quando aconteceu”.

– Que memes é que o Conor gosta de enviar? Tem um exemplo?

– Já não falo ao telefone há algum tempo. Só quando teve uma luta. Mas enviamos regularmente mensagens de texto uns aos outros. Enviamos uns aos outros memes, anedotas, apenas risos. Nada demasiado sério, apenas amigável.

– Quando foi a última vez que se correspondeu com Conor, ou o viu pessoalmente, ou conversou ao telefone?